DHA na gestação

Os primeiros 1000 dias, período que compreende desde o período da gestação até os dois primeiros anos, é fundamental para a prevenção de doenças futuras. E nesse contexto, a nutrição tem uma relação importante com o bom desenvolvimento da gestação, bem como, com na programação metabólica do bebê, promovendo assim, ajustes fisiológicos importantes para saúde.

Falando especificamente sobre o DHA ou ômega 3, ele é considerado um nutriente fundamental para o crescimento e desenvolvimento infantil, cujo papel principal está na formação e no funcionamento do sistema nervoso central e da retina.

Muitos estudos já demonstraram o papel importante do consumo de DHA na gestação e o desenvolvimento neurológico dos bebês.

Em um estudo conduzido por pesquisadores noruegueses mostrou que o nível de DHA materno durante a gestação está associado às habilidades de resolução de problemas dos bebês aos 12 meses. Portanto, o estudo acentua a importância de mulheres grávidas e lactantes terem uma ingestão adequada de DHA, seja por fontes alimentares ou outras fontes ricas em DHA.

Em um outro estudo, os autores avaliaram o efeito da suplementação de DHA. No total, mulheres grávidas entre 16 e 21 semanas de gestação receberam 450mg por dia de DHA (n = 43) ou um placebo de soja (n = 21). Os resultados mostraram que bebês de mães que receberam suplementação de DHA tiveram maior peso ao nascer, eram mais propensos a ter um melhor nascimento (medido pelo índice de Apgar), além de apresentarem níveis mais baixos de cortisol, ou seja, menos estressados.

Os efeitos da suplementação de ômega-3 na função cognitiva e visual de crianças também já foram avaliados e relacionados com a melhora o desenvolvimento psicomotor e visual da infância.

E qual seria a quantidade recomendada a ser ingerida de DHA por dia durante a gestação?

Bom, existem diferentes posicionamentos a respeito da dose de suplementação de DHA. Por exemplo: a comissão do Projeto de Pesquisa em Metabolismo Lipídico Perinatal da União Europeia recomenda a suplementação de pelo menos 200 mg de DHA por dia para mulheres grávidas.

No Brasil, a Associação Brasileira de Nutrologia recomenda a suplementação de DHA para toda gestante, principalmente nos dois últimos trimestres de gestação em doses que variam entre 200 e 600 mg por dia, preferencialmente, com DHA de fonte segura.

Portanto, como podemos observar, o DHA é essencial durante o período gestacional, no entanto, a dose recomendada deve ser preferencialmente recomendada por um profissional de saúde.

Referências bibliográficas

Abran. I Consenso da Associação Brasileira de Nutrologia sobre recomendações de DHA durante a gestação, lactação e infância. International Journal of Nutrology. Ano 7, n°3, 2014.

González, F. E.; Báez, R. V. In time: importância dos ômega 3 na nutrição infantil. Rev Paul Pediatr. 2017;35(1):3-4.

Karakochuk, Cl D.; Whitfield, K. C.; Green, T J.; Kraemer, K (editores). The biology of the first 1,000 days. CRC Press, Boca Raton: Taylor & Francis, 2018.

Vitolo, M. R (ed). Nutrição: da gestação ao envelhecimento – Rio de Janeiro: Ed. Rubio, 2008.

Shulkin, M., Pimpin, L., Bellinger, D., Kranz, S., Fawzi, W., Duggan, C., & Mozaffarian, D. n–3 Fatty Acid Supplementation in Mothers, Preterm Infants, and Term Infants and Childhood Psychomotor and Visual Development: A Systematic Review and Meta-Analysis. The Journal of Nutrition, 2018.

Braarud, H. C.; et al. Maternal DHA Status during Pregnancy Has a Positive Impact on Infant Problem Solving: A Norwegian Prospective Observation Study. Nutrients. 2018 May; 10(5): 529.

Keenan, K. The effect of prenatal docosahexaenoic acid supplementation on infant outcomes in African American women living in low-income environments: A randomized, controlled trial. Psychoneuroendocrinology. 2016 Sep;71:170-5. 

Postagens recentes


Este site utiliza cookies para armazenar informações no seu computador.

x